domingo, 23 de setembro de 2012

IDEOLOGIAS DO SÉCULO XIX


                     LIBERALISMO
Trabalho infantil na Revolução Industrial

Adam Smith
              A Revolução Industrial trouxe um progresso material inegável ao homem, mas trouxe também uma série de consequências sociais negativas, conhecidas em seu conjunto por Questão Social, entre as quais estão o desemprego e todos os desdobramentos sociais a ele ligados: exploração do trabalho infantil e feminino, favelamento, violência urbana, e outros.
            Adam Smith e seus seguidores, como David Ricardo, defenderam o liberalismo econômico, teoria adequada ao pensamento capitalista burguês, defendendo a propriedade privada dos meios de produção, a divisão local e internacional do trabalho, a Lei de Mercado (“mão invisível”), o lucro individual, a competição, o livre- cambismo  (baixas tarifas aduaneiras) e a transformação da força de trabalho em mercadoria, cujo preço depende do mercado. Assim, para o liberalismo econômico, como o valor de uma mercadoria depende da quantidade de trabalho nela embutida, o salário, ou seja, a remuneração pelo trabalho, deve ser baixo, “para não encarecer o preço final da mercadoria”. É a Lei Férrea do Salário.
            Por razões como essas, o liberalismo defende a não intervenção  do Estado na economia, possibilitando que os agentes econômicos privados - a saber, a burguesia - produzam o que quiserem, na quantidade que quiserem, pagando os salários que quiserem, limitados apenas pelo mercado.
          Cabe lembrar que o modo de produção escravista (Grécia e Roma antigas) entrou em crise por escassez, a partir do século III. O modo de produção feudal idem, a partir do século XI. O modo de produção capitalista é o único capaz de entrar em crise motivada pela sobra, pela “superprodução”. É a fragilidade histórica e, portanto, estrutural, do capitalismo liberal: como não produz para as pessoas e sim para o mercado, quando o mercado comprador se retrai (por qualquer motivo) ocorre o fenômeno da superprodução.
              Um paradoxo do liberalismo é o fato de que o Estado sempre é lembrado como salvador da crise, por isso, tem de ser a imagem e semelhança da razão burguesa: os lucros devem ser capitalizados e as perdas, materiais e humanas, socializadas. Vale lembrar, a título de exemplo, o papel do Estado nas crises capitalistas, em pleno “liberalismo econômico”, no neocolonialismo e imperialismo do século XIX, no bonapartismo de Napoleão I e Napoleão III, na Primeira Guerra Mundial. O Estado assumiu a ideologia burguesa e usou sua força, legitimada pela burguesia, para defender os interesses burgueses.
            Quais seus limites de ação? O nacionalismo  burguês, jogando burguesia versus burguesia e o nascimento e crescimento do proletariado internacionalista, seu principal produto social.

                          DEMOCRACIA LIBERAL
“É isto, principalmente, que a democracia política tem significado: que cabe à maioria do povo o direito de falar pela nação inteira e que, na formação dessa maioria, todos os cidadãos devem ter igualdade de voto”. (BURNS, E. MCNALL, História da Civilização Ocidental).
“Com exceção das tendências aristocráticas e do nazi-fascismo (partidários das ‘minorias seletas’), todas as correntes políticas, tanto as democráticas propriamente ditas, como as socialistas, convergem à realização de formas democráticas de organização social”. (MONTENEGRO, W., Introdución a las Doctrinas Político-Económicas, Fondo de Cultura Económica, pág. 62).
LUDISMO
O movimiento ludita ocorreu principalmente da Inglaterra, no início do século XIX. O nome vem de Ned Ludd, codnome de líderes do movimiento que via nas máquinas um inimigo do trabalhador, a causa do seu desemprego. Caracterizou-se pela destruição das máquinas.
Uma canção do movimento:
"Bravos ludistas somos, para a quebra nós vamos!
Deus salve Ned Ludd!
A destruição de máquinas
Máquinas para o inferno, queremos a nossa dignidade!
Quebrar é bom, junta-te a nós e salva a Europa!
Quebra! Quebra ou morre trabalhando!
Monstros do industrialismo, vos queremos quebrados!
Máquinas para o chão!
Bater! Bater! Bang Bang! Estes são o som da liberdade!
Quebra um, quebra dois, quebra três, quebra tudo! Tudo!"

CARTISMO
Movimento Cartista
Cartismo vem de Carta do Povo, documento que reivindicava reformas trabalhistas e políticas no Reino Unido. Suas exigencias, destinadas ao Parlamento, eram:
§  Sufrágio universal masculino (o direito de todos os homens ao voto);
§  Voto secreto através da cédula;
§  Eleição anual;
§  Igualdade entre os direitos eleitorais;
§  Participação de representantes da classe operária no parlamento;
§  Remuneração dos membros do Parlamento.

SOCIALISMO UTÓPICO
Robert Owen e suas ideias cooperativistas
Seus principais representantes foram Robert Owen, Proudhon, Saint-Simon, Jacques Fourrier e Louis Blanc. Criticavam os efeitos sociais perversos da Revolução Industrial e propunham a igualdade social. Contudo, esses pensadores acreditavam que a própria burguesía conduziria a sociedade ao mundo da igualdade, ou seja, eram platônicos, idealistas.
O século XIX produziu ainda o Socialismo, “a mais original e, por momentos, a mais vigorosa das ideologias da nossa época. A expressão, empregada em seu sentido moderno nos anos de 1830, significa: reforma da sociedade beneficiando as classes mais numerosas, os mais pobres, ou seja, o proletariado (…). O Socialismo é, então, uma ideologia ligada à Revolução Industrial…”. (DUROSELLE, J. B. e GERBET, P., Histoire – 1848-1914, Fernand Nathan, pág. 363).
 “A idade de ouro da humanidade não está atrás de nós, mas à nossa frente”. (Saint-Simon. Citado por SCHILLING, K., História das Ideias Sociais, Zahar Editores, pág. 317).
“O Estado está obrigado a proporcionar trabalho ao cidadão capaz, e ajuda e proteção aos anciãos e incapacitados. Não se podem obter tais resultados a não ser por um Poder Democrático”. (Louis Blanc. Citado por HAYES, C., História Política y Cultural de la Europa Moderna, Editora Juventud, vol. II, pág. 77).
SOCIALISMO CIENTÍFICO
“Até hoje a História de todas as sociedades que existiram até nossos dias tem sido a História das lutas de classes (…). A sociedade burguesa moderna, que brotou das ruínas da sociedade feudal, não aboliu os antagonismos de classes (…). De todas as classes que ora enfrentam a burguesia, só o proletariado é uma classe verdadeiramente revolucionária (…)”. (MARX, K. e ENGELS, F., Manifesto do Partido Comunista, Editorial Vitória, págs. 24 a 36).

O Socialismo Científico, ou marxismo, levanta várias teorias, como a teoria da mais-valia, a da luta de classes como “motor da História”, a do materialismo histórico e do materialismo dialético e a da revolução proletária contra a burguesia.

SINDICALISMO
O Sindicalismo “é uma ideologia que quis fazer do sindicato a forma social destinada a substituir o Estado…”. (TOUCHARD, J., Histoire des Idées Politiques, P. U. F., vol. II, pág. 727).
PENSAMENTO SOCIAL DA IGREJA
O papa Leão XIII publicou a Encíclica Rerum Novarum, em 1891, condenando o marxismo e outras ideologias revolucionárias. Defendia a Justiça Social, uma tentativa de conciliar os interesses do capital com os interesses do trabalho.
A Encíclica Quadragesimo Anno (1931), de Pio XI, ratificou as críticas contra o Capitalismo e o Socialismo Marxista; defendeu a doutrina social e econômica de Leão XIII e proclamou que “as riquezas, em contínuo incremento com o congresso da economia social, sejam repartidas pelos indivíduos ou pelas classes particulares, de tal maneira que se salve sempre a utilidade comum (…)”. Insistiu sobre a “redenção dos proletários” que “devem poder formar um patrimônio”, garantindo-se “aos pais de família um pagamento suficientemente abundante para cobrir as despesas ordinárias da casa”.
Outras Encíclicas deram continuidade e atualidade ao pensamento social da Igreja, como a de João XXIII (Mater et Magistra), de 1961, e a de João Paulo II (Centesimus Annus), de 1991.
Bandeira Anarquista
ANARQUISMO
O anarquismo é uma ideologia que prega a destruição da propriedade privada e de qualquer forma de autoridade externa ao indivíduo ou ao grupo coletivo. Nega, por exemplo, o Estado, o governo que venha do Estado, a Igreja e outras instituições coercitivas contra a liberdade humana. Assim, a maior autoridade sobre um homem seria o próprio homem. A propriedade seria coletivizada, a autogestão seria das comunidades, marcadas pelo mutualismo, pela reciprocidade solidária.
Seus opositores transformaram o termo anarquia e lhe deram o sentido negativo, de “bagunça”. Contudo, para seus defensores, “anarquismo é ordem”, inclusive em seu símbolo, um A maiúsculo (de Anarquia) e um círculo, a letra maiúscula O (de Ordem).
Embora tenha uma longa História, o anarquismo contemporâneo está ligado a alguns pensadores, como Joseph Proudhon, Mikhail Bakunin, Piotr Kropotkin e Errico Malatesta.
Proudhon propôs “a substituição do mecanismo capitalista de produção, distribuição, consumo e crédito, pelas cooperativas e imaginou também usar bônus de trabalho ao invés de dinheiro”. (MONTENEGRO, W., Introdución a las Doctrinas Político-Económicas, Fondo de Cultura Económica, pág. 170).
Afirmando serem o industrialismo e o capitalismo produtos do Estado, pregavam a eliminação do Estado e da propriedade privada, apresentando a “sociedade anarquista como um conjunto de pequenas comunidades cooperativas dedicadas a distintas modalidades da atividade produtiva, sem visar ao lucro, mas ao auto-abastecimento e ao intercâmbio direto (troca)”. (MONTENEGRO, W., op. cit., pág. 174).
“O Anarquismo revolucionário esteve representado em uma modalidade tipicamente terrorista pelo niilismo russo e assumiu uma de suas formas políticas mais vigorosas no chamado Anarco-sindicalismo ou incorporação da ideologia anarquista ao movimento operário organizado”. (MONTENEGRO, W., op. cit., pág. 172).
Alguns fragmentos de textos de Proudhon nos ajudam a entender seu pensamento: Aquele que botar as mãos sobre mim, para me governar, é um usurpador, um tirano. Eu o declaro meu inimigo”.
            Para Bakunin, adepto da violência como ação revolucionária, “A paixão pela destruição é uma paixão criativa.” Criticou e rompeu com Marx, durante a Primeira Internacional. Não admitia que o Estado Burguês deveria ser substituído pelo Estado Proletário, para depois se chegar ao comunismo, o mundo sem Estado: Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria privilegiada. Esta minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de ser operários e por-se-ão a observar o mundo proletário de cima do Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a natureza humana”.
    
O ANARQUISMO HOJE

Na década de 1980, o neoliberalismo e a globalização começaram a desmontar o Estado de Bem-Estar Social do capitalismo keynesiano e o socialismo real entrou em colapso, com o fim da URSS, a reunificação da Alemanha e a queda do Muro de Berlim. Vários setores sociais se mobilizaram para defender as mudanças e para combatê-las. Entre os críticos, muitos buscaram alternativas para a superação da realidade atual. Para muitos, o anarquismo seria a resposta.
A luta contra as guerras contemporâneas, contra o capitalismo como modo de produção dominante, contra o neoliberalismo e contra a globalização popularizaram os movimentos anarquistas. Nos últimos quarenta anos, o anarquismo atuou contra a Organização Mundial do Comércio (OMC), contra as reuniões do G-8, contra o Fórum Econômico Mundial, contra as medidas de austeridade adotadas pelos governos europeus subordinados à União Europeia. Sua face mais visível é a do “Black Blocs” que, usando a tecnologia avançada representada pela internet, tem agido em muitos protestos, inclusive no Brasil em junho e julho de 2013.



            FABIANISMO
Casal Webb: fundação do Fabianismo
Bernard Shaw

            No final do século XIX, entre 1883 e 1884, foi fundada a Fabian Society, em Londres, da qual participavam jovens intelectuais de várias tendências socialistas, entre eles H. G. Wells e Bernard Shaw.
 O Movimento Fabiano recusava a teoria da revolução proletária defendida pelos marxistas, promovendo a propagação gradual do socialismo, na construção de uma sociedade mais justa e de nível moral mais elevado dentro do humanismo. Negando a violência revolucionária, os fabianos pretendiam chegar ao socialismo com reformas dentro do próprio sistema.

.

sábado, 8 de setembro de 2012

A ERA VARGAS - REVISÃO

A Era Vargas é o período da História do Brasil ocorrido entre 1930 e 1945. Para acompanhar essa revisão, tenha sempre em mãos o material escolar e um caderno para anotações.
video